Memória, história e tempo. Sentido de um fim

O sentido de um fim. Memória e narrativa de nossas vidas

O tema central deste romance é o tripé identidade, amor e morte. Questões que mexem diretamente com a memória e narrativa de nossas vidas.

Memória e narrativa de nossas vidas
R$37,00. Adquira agora

Tony Webster é o protagonista e narrador do enredo. Aos sessenta e poucos anos, careca e aposentado, ele decide mergulhar na memória e vasculhar reminiscências de um período de sua juventude.

Sobretudo, depois de receber a notícia de um tipo inusitado de herança deixado pela mãe da primeira namorada de adolescência.

O legado causará um impacto enigmático na vida pacata do divorciado e aposentado Webster. Será preciso remexer num passado remoto que envolve pessoas e incidentes ocorridos uns bons tempos atrás.

São recordações de velhos amigos de escola em Londres como Colin, Alex e Adrian Finn, que cometeu suicídio com apenas 22 anos de idade. À época, Finn namorava Verônica Ford, a qual também havia sido a primeira namorada de Webster.

O Sentido de um fim

Autor: Julian Barnes. Tradução: Léia Viveiros de Castro
Livro vencedor do Prêmio Man Booker Prize 2011
Rocco, 2012. 160 páginas. Seminovo. Ótimo estado. Frete grátis em Presidente Prudente

37,00 Comprar. Único exemplar


Numa prosa agradável, irônica e espirituosa, o autor do livro faz uma abordagem sobre as imperfeições e a subjetividade do tempo, a fragilidade dos alicerces da memória, colocando-nos frente a frente com a profundidade exuberante das reflexões da personagem principal acerca do seu passado distante.

A leitura é tão envolvente que, quando menos se espera, pegamo-nos também a refletir sobre as questões existenciais da nossa própria vida.
O que estamos fazemos da vida e quais as implicações, amanhã, do que se realiza hoje?
Amores, amizades, o tempo que não volta atrás, os erros e como encontrar a paz e a verdade.

O sentido de um fim, Julian Barnes
O sentido de um fim. Memória e narrativa de nossas vidas

Uma trama que nos leva a questionar a veracidade das nossas certezas, será que somos quem pensamos ser?

“Mas o tempo… como o tempo primeiro nos prende e depois nos confunde. Nós achamos que estávamos sendo maduros quando só estávamos sendo prudentes. Nós imaginamos que estávamos sendo responsáveis, mas estávamos sendo apenas covardes. O que chamamos de realismo era apenas uma forma de evitar as coisas em vez de encará-las. O tempo… nos dá tempo suficiente para que nossas decisões mais fundamentadas pareçam hesitações, nossas certezas, meros caprichos.”

O fato é que, por trás de nossas lembranças, podem existir detalhes ocultos que obliteramos inconscientemente, justamente para se evitar o confronto com a verdadeira memória e narrativa de nossas vidas.

Julian Barnes, escritor inglês
Escritor Julian Barnes

Julian Barnes é um dos romancistas mais brilhantes e sofisticados da Grã-Bretanha contemporânea. Considerado também um dos melhore escritores ficcionistas.
A prosa de Barnes é elegante, espirituosa e divertida, enfocando o realismo psicológico com temas comoventes e sinceros. Frequentemente, ele aborda a natureza do amor e seu lado negro. Procura explorar os limites da capacidade da humanidade, além dos sentimentos de inveja, obsessão e infidelidade, juntamente com a busca perene do amor autêntico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *