Itamar, a leitura campeã de uma vida transformada

Leitura Campeã: projeto de ex-presidiário vem abrindo as asas da imaginação de muita gente em Presidente Prudente e região.

Leitura campeã, uma verdade que liberta

Desde 2011, o Leitura Campeã já arrecadou mais de 20 mil livros e implantou várias bibliotecas comunitárias. A iniciativa, entretanto, tem uma peculiaridade interessante. Ela partiu de um ex-presidiário que acabou se tornando um exemplo do poder transformador da educação.
Morando numa favela da capital paulista, o rumo da sua vida o conduziria por caminhos dos mais adversos. Mas ele encontraria na leitura a chance de reescrever o trágico destino da sua história.

Itamar Xavier de Camargo, leitura campeã

Itamar Xavier de Camargo

Esse indivíduo se chama Itamar Xavier de Camargo, um vencedor que faz jus ao nome do seu projeto. Tornou-se um “rato” de biblioteca ainda na prisão. Foi quando então decidiu deixar para trás um currículo de drogas, roubos e criminalidades.
Após cumprir uma pena de aproximadamente cincos anos, saiu da penitenciária na região de Presidente Prudente, fez um supletivo e ganhou uma bolsa de estudos que lhe garantiu a entrada na faculdade de pedagogia.

A sua experiência profissional passa pela educação infantil, psicopedagogia com MBA em gestão educacional, incluindo a docência no ensino superior. Graduou-se também em artes visuais, e termina no final deste ano um mestrado em educação.

Uma das prioridades na carreira de Camargo é desenvolver projetos que possam despertar o interesse pela leitura de bons livros. Algo que, aliás, nunca fora estimulado durante a sua infância, a adolescência e em boa parte da sua fase adulta.

Aos 6 anos testemunhou um assassinato pela primeira vez. Entre tiros, assistiu à morte agonizante de um homem ensanguentado no chão até o seu último respirar de vida.
Camargo era filho de moradores de rua, sendo o pai alcoólatra e a mãe com transtornos psiquiátricos. Teve que ser criado por um casal de tios que brigava constantemente. O tio insultava a esposa e até batia nela, impossibilitando qualquer tipo de afeto nesse casamento. Apenas intolerância e impaciência reinavam no ambiente de convívio dentro da casa.

Geladeirotecas, leitura campeã

Geladeirotecas cativam leitores

Quando Camargo completou treze anos, foi morar com sua avó. Arrumou trabalho de office-boy, porém, fez amizades com rapazes que o levaram para o mundo das drogas e do tráfico.

O vício incontrolável não dava trégua, fazendo com que precisasse vender sapatos, roupas e todos os seus pertences a fim de sustentar a sua dependência cada vez maior. Entrou para o roubo e, pouco tempo mais tarde, aos 16 anos, foi detido pela primeira vez na Febem (Fundação estadual para o bem estar do menor), atual Fundação Casa.

Lá, até que houve um ligeiro contato do adolescente com a leitura por intermédio de um professor de artes. Contudo, antes mesmo que viesse a tomar gosto por ela, ocorreu uma rebelião e Camargo fugiu, deixando de lado os livros para voltar a praticar roubos e assaltos nas ruas.

Já veterano em assaltos à mão armada e na formação de quadrilhas, com 22 anos, Camargo finalmente foi capturado e enviado para o interior do estado de São Paulo.

Estar preso é como viver um dia interminável. Tiram sua liberdade, e você fica dias sem aprender nada. É um pesadelo, no qual sair em liberdade é como acordar […] Vi mortes, vi brigas, apanhei, conheci os maiores integrantes de facções criminais. Dormi sem roupa no chão das celas, sem colchão”.

Depois de conviver anos no meio das drogas, assaltos e criminalidades, ora baleado numa cama de hospital ou encarcerado em uma cela de penitenciária, Camargo conseguiu reerguer-se e mudar de vida.

Livro Memórias de um PrimataHoje, ele é um agente transformador de outras vidas, encorajando as pessoas mediante o seu projeto Leitura Campeã.

Uma iniciativa que tem como objetivo criar estratégias para uma maior aproximação das pessoas com os livros e a leitura. Entre algumas ações desse projeto destacam-se as Geladeirotecas, que são geladeiras estilizadas contendo livros de diversos gêneros para livre acesso da população. Atualmente, já existem nove delas espalhadas por escolas e outros lugares da cidade e região.

Além disso, o Leitura Campeã também se preocupa com a revitalização das escolas, procurando fazer delas um ambiente mais acolhedor para a prática do ensino e do aprendizado. As duas últimas escolas que passaram por esse processo, em Presidente Prudente, foram as do distrito de Eneida e de Emilianópolis.

Piquenique LiterárioOs alunos da rede municipal de ensino também costumam ser coroados com o título de Rei da Leitura. Isto é, aqueles que mais leem acabam ganhando prêmios que são ofertados pelos parceiros dessa iniciativa.

Outra atividade que faz parte do Leitura Campeã é o Piquenique Literário, evento em que são convidados autores e demais interessados para um sarau em torno do assunto livros e leituras. Excelente oportunidade para troca de conhecimentos, bate-papos e contação de histórias com escritores, bem como gincanas, brindes e muitas brincadeiras.

Itamar Xavier de Camargo se redescobriu por meio da educação. Enxergou o quanto poderia ser uma pessoa melhor não só para si mesmo, mas também para toda a sociedade.

E a história de vida desse homem está no livro A Verdade Que Liberta de sua própria autoria.

A obra traz relatos impressionantes de quem viveu na estrema exclusão social e no abandono, fez uso de drogas, cometeu crimes, escapando da morte por mais de uma vez. Uma leitura impactante sobre o dia dia infernal do sistema prisional e de alguém que conseguiu se reconstruir a partir do cristianismo, da solidariedade e dos estudos universitários.
Abaixo, um trecho da palestra de Camargo:

REFERÊNCIAS:
ASSOCIAÇÃO BETESDA. Página no Facebook. Presidente Prudente/SP.
JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO. Ex-presidiário faz mestrado, vira professor e cria bibliotecas em SP. Por Sarah Mota Resende. Cotidiano.16/03/2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *