Disco de vinil, mais vivo do que nunca

Disco de vinil, bem ao gosto do seu paladar

Audição, olfato, visão e (por que não?) o paladar. Ouvir um disco de vinil é viajar por todas as dimensões sensoriais humanas.

Disco de vinil, long play ganha vida
O Lp está mais vivo do que nunca

Ao que tudo indica, os novos tempos do mundo digital não esqueceram o velho modo de se ouvir música,  pois o som que ainda contagia muito gente é mesmo o dos discos de vinil.

Basta observar o mercado norte-americano, que teve um incremento de 19,2% na venda de álbuns de vinil no primeiro semestre de 2018, em relação ao mesmo período do ano anterior.
A informação é da Nielsen Music que, desde 1991, vem observando uma trajetória crescente na demanda por esse tipo de formato musical. 2017, por exemplo, terminou com um recorde na venda de discos de vinil e foi 12º ano consecutivo de crescimento do mercado.

Aqui no Brasil, apesar de não existir tal nível apurado de levantamento, dados revelam que as vendas aumentaram 38% nas lojas entre 2015 e 2017, de acordo com João Augusto, proprietário da Polysom, única fábrica de vinil que estava instalada no país até o ano passado.
Agora, com a implantação da segunda fábrica do produto no país (Brasil Vinil), a retomada dos discos de vinil deverá continuar seguindo em seu ritmo frenético.

Mas o que estaria levando os antigos “bolachões” a cair no gosto dos consumidores de música do novo milênio?

O ponto central a respeito desse assunto tem a ver com a ausência da materialização do som na atualidade. É que, na era digital, ele assumiu um aspecto fugidio e evanescente. Ora, a maioria da música disponível para consumo se tornou virtual, deixando a sensação de que não se pode tocá-la ou tateá-la com as mãos, na visão de Portugal (2013).

Obviamente que esse suposto “contato” com a música nunca existiu. Mas o disco de vinil, de certa forma, garantiria essa possibilidade. Ele tornaria o som concreto, seria a materialização de uma banda preferida, de uma canção de determinada época ou de um momento especial. Enfim, por estar incorporado num suporte físico, o vinil seria capaz de transformar a música em algo palpável.

Escutar um disco de vinil
Disco de vinil, uma experiência além do tempo

A questão que se coloca, no entanto, é como se daria o desenrolar desse processo. De que forma ele ocorreria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *